quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Livro: O que vale a pena


Você já imaginou se fosse possível fazer um balanço de sua vida - dos erros, dos acertos, das grandes e pequenas lições - antes de a vida ser vivida? Seria como ir ao futuro, verificar o que foi e o que poderia ter sido, voltar ao presente e viver, de outra forma, com mais felicidade, a vida ideal. Pessoas mais velhas acumulam tais experiências -mas nem sempre nos espelhamos nelas, ou seja, nos conselhos dos mais velhos, para traçarmos o destino. O livro O que vale a pena, da assistente social norte-americana Wendy Lustbader, se propõe a examinar os conhecimentos de pessoas anônimas na casa dos 60 aos 90 anos e nelas se inspirar para dar conselhos e lições de vidas em busca do equilíbrio e da felicidade. O resultado é um livro encantador, como se fossem pílulas de sabedoria com depoimentos colhidos ao longo de 20 anos no trabalho de Wendy em asilos de idosos. A obra soma casos que refletem sobre temas conflitantes da vida como: casamento, amor, ciúme, qualidade de vida, família, trabalho, doença e velhice. Esta publicação, lançamento exclusivo da Jardim dos Livros, inclui histórias surpreendentes e emocionantes, que fazem rir e chorar. Ao lê-las, é impossível não se perguntar: "Como será minha vida quando envelhecer? Terei sido feliz? Terei gasto meus dias em coisas que não valeram a pena? Perdi meu tempo com coisas fúteis e conflitos inúteis? O que vale a pena, afinal?" Ler este livro significa aprender com experiências de pessoas anônimas que acertaram ou erraram ao longo da vida e, ao final dela, refletem sobre o que foi e o que poderia ter sido. As histórias, narradas na primeira pessoa, com comentários da autora, relatam casos de superação e conquista. Wendy, em seu trabalho por mais de duas décadas em asilos, sempre acreditou que seus pacientes eram pessoas privilegiadas, com muitas histórias para contar. As experiências foram divididas em onze capítulos sobre a arte de viver bem, tempo, espiritual idade, casamento, estar triste, trabalho, doença, fragilidade, boa conduta, arrependimento e velhice. O conjunto de belas histórias foi extraído de seu extenso diário de trabalho. As mais emocionantes são as de homens e mulheres que, ao final da vida, mantiveram o espírito jovem, cheio de esperança e alegria. Pessoas que apenas ficaram mais velhas - mas preservaram a energia e a alegria de viver.



Fonte: www.parana-online.com.br


Um comentário:

Carolina Chamiso disse...

Muito interessante a dica! Obrigada!! ;)